Como aumentar o êxito em ações judiciais pós-regulação de sinistros por meio de negativas melhor fundamentadas.

Descubra por que uma regulação de sinistros bem fundamentada é essencial para o êxito em ações judiciais movidas por segurados que não se conformam com a negativa de pagamento.

Quer aumentar as chances de êxito em ações judiciais movidas contra a seguradora por segurados que não se conformam com a negativa de pagamento? Saiba que isso é possível quando há uma regulação de sinistros elaborada da forma correta e muito bem fundamentada.

Para saber mais, confira este artigo e entenda a importância da regulação de sinistros.

A regulação de sinistros:

É dever da seguradora garantir que o segurado, caso ocorra o dano previsto no contrato de seguro, seja indenizado. Assim, ocorrendo o sinistro, nasce para o segurado o direito de exigir o pagamento correspondente.

Porém, não basta apenas isso, é preciso que o sinistro seja averiguado e analisado pela seguradora, através da regulação de sinistros. Ela é a condição para que a indenização seja paga ao segurado.

A regulação de sinistros não se trata de um simples cálculo, mas de uma investigação e análise técnica de todos os fatos relevantes que ajudem a solucionar a pretensão do segurado à indenização prevista no contrato de seguro.

Nos casos de seguros pessoais, ela deve ser feita por uma equipe de médicos peritos, especializados e capacitados para o procedimento, que, ao final da análise de documentos e exames, irá emitir um relatório para a seguradora com a decisão sobre o cabimento, ou não, da prestação indenizatória.

É aí, quando na regulação de sinistros se conclui que o seguro não é devido, que podem começar os problemas.

O êxito em ações judiciais pós-regulação de sinistros:

É claro que aquele que contrata um seguro tem como objetivo se resguardar de possíveis prejuízos, caso ocorra o sinistro descrito na apólice. Porém, pode acontecer do segurado ser surpreendido com a negativa da seguradora.

De maneira geral, são três as hipóteses de negativa de pagamento:

  • O prêmio da apólice não foi devidamente pago até o momento do sinistro.
  • O evento comunicado à seguradora não está previsto na apólice.
  • Houve alguma conduta do segurado que tenha contribuído para que as chances do evento comunicado à seguradora acontecesse.

Mas, não importa o motivo, ocorrendo uma dessas hipóteses, é grande a chance do segurado recorrer ao Poder Judiciário com o objetivo de conseguir receber o seu pagamento.

E, visando esses casos, é essencial que a seguradora esclareça, de forma clara e extremamente bem fundamentada, no relatório final da regulação de sinistros, os motivos da recusa ao pagamento. Isso será extremamente importante para a defesa e consequente êxito em ações judiciais movidas contra a seguradora.

Juiz, laudo pericial e êxito em ações judiciais:

A despeito do Código de Processo Civil (CPC) regular o procedimento da perícia judicial, o juiz não está obrigado a concordar com o laudo pericial, as impressões captadas pelo técnico, em torno de fato litigioso, por meio de seus conhecimentos especiais.

Cabe ao Juiz avaliar todos os documentos trazidos aos autos, e não só o laudo pericial, daí a importância de uma regulação de sinistros bem feita e direcionada para o êxito em ações judiciais. Afinal, o juiz pode-se valer dos pareceres técnicos, exames e vistorias realizados e trazidos pela seguradora para tomar uma decisão final que seja favorável a ela, mantendo assim a negativa de pagamento.

A seguradora deve contar sempre com uma equipe de peritos experientes e altamente capacitados, não só no que diz respeito aos aspectos médicos, mas também administrativos e jurídicos. Uma equipe que tenha profundo conhecimento do que dispõe o contrato de seguro e a legislação aplicável ao caso concreto.

É fundamental também, para que se obtenha êxitos em ações judiciais, que essa empresa de perícias elabore laudos e relatórios extremamente didáticos e de fácil compreensão, seja para o próprio segurado, seja para o juiz e para os respectivos advogados, envolvidos em um processo.

Como se percebe, a seguradora para conseguir êxito em ações judiciais precisa contar com a ajuda de uma empresa de perícia médica e auditoria administrativa e judicial preparada para os mais diversos desafios, tal como ExperMed Perícias Médicas. Por isso, não deixe de conhecer nossos serviços.